Concepção do Arranjo Institucional e Operacional para Gestão de Risco de Desastres no Estado do RJ

O Estado do Rio de Janeiro sofre com diferentes eventos climáticos extremos. Devido às suas características climáticas e geográficas e de ocupação de encostas e áreas naturais de inundação (várzeas), um dos maiores e recorrentes problemas enfrentados pelo Estado é a ocorrência de inundações e movimentos de massa, responsáveis por inúmeras perdas humanas e materiais. Com as mudanças do clima e com o crescimento urbano contínuo do Rio de Janeiro, a perspectiva é que esses riscos climáticos continuem aumentando.

Neste contexto, a consultoria visa aprimorar a gestão de risco de desastres e adaptação às mudanças climáticas, baseando-senas estratégias do Marco de Ação de Hyogo para 2005-2015, instrumento adotado pelos Estados Membros das Nações Unidas para a redução da vulnerabilidade.

Partindo do pressuposto que a concepção do arranjo institucional e operacional para a gestão de riscos de desastres geohidrometeorológicos do Estado do Rio de Janeiro precisava estar em consonância com o que prevê o Marco de Hyogo, os seguintes desafios se apresentaram: (i) aprimorar os processos e procedimentos internos adotados pelas instituições envolvidas; (ii) integrar e harmonizar estes procedimentos e processos entre as instituições; e (iii) estabelecer um sistema integrado de comunicação. Estas atividades contribuíram para o desenvolvimento de um arranjo institucional e operacional com uma organicidade tal que permitiu dar ao Estado uma capacidade de governança que busque atender às expectativas presentes e futuras da sociedade.

Cliente: Governo do Estado do Rio de Janeiro

Financiado por: Banco Mundial

Consórcio: GITEC Brasil | GITECIGIP | CODEX Remote

Data do Projeto: 05/2013 -06/2014